quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Todo carnaval tem seu fim

Disponível aqui
Depois de um semestre cheio de danças e ensaios, chegamos ao fim de um grande Espetáculo: a disciplina Diplomática e Tipologia Documental! No entanto, precisamos fazer os últimos ajustes da nossa coreografia para que as próximas apresentações estejam completamente perfeitas! Citaremos abaixo tudo o que foi modificado para que o nosso querido Mestre de Dança - professor André Lopez - possa nos (re)avaliar. Esperamos que todos vocês gostem desse Espetáculo!

Mudanças:

Gostaríamos que as atividades apontadas nessa postagem Mudanças na coreografia das ArqLindas fossem revistas, além das seguintes postagens: 

Nessas atividades, houveram pequenas modificações que fazem toda diferença para uma análise Diplomática e Tipológica. 

Por fim, gostaríamos que o nosso Trabalho Final (link aqui) fosse reavaliado também! Nessa última atividade, houve grandes modificações para que a nossa apresentação se encerre com chave de ouro! Desejamos a todos ótimas férias depois de tanto tempo dançando. E não esqueçam de aproveitarem o próximo carnaval (com moderação).

P.S.: segue o link da música Todo carnaval tem seu fim dos Los Hermanos!

100 anos sambando

Hoje, dia 02 de dezembro, é comemorado o Dia Nacional do Samba. Além disso, 2015 é o ano em que o Samba completa seus 100 anos!

Disponível aqui
O nosso querido samba, tipicamente brasileiro é reconhecido como ritmo oficial da festa e tem sua popularidade, principalmente, no Carnaval. Esse dia, reza a lenda, teve origem em uma homenagem ao sambista Ary Barroso. O vereador baiano Luís Monteiro da Costa foi quem teria instituído a data como a marca da visita desse sambista na Bahia pela primeira vez em 1940.

Desde então, o dia de hoje é comemorado, especialmente, em Salvador e no Rio de Janeiro. No entanto, nós, aqui em Brasília, não poderíamos de prestar nossa homenagem à esse ritmo. Atualmente,  o samba possui inúmeras variações, desde o Samba de Raiz, passando pelo Samba-Enredo, Samba Rock, Samba Funkeado até o Samba de Gafieira.

Para essa comemoração, a Cerveja Antarctica lançou uma edição especial para as suas garrafas long necks. Nós já estamos colecionando, não percam essa mistura também (apreciem com moderação)! Lembrando que as garrafas podem ser consideradas um documento arquivístico para a empresa produtora, pois provam a atividade de divulgação da cerveja por meio de um atrativo diferenciado. No entanto, para nós, serão apenas objetos de coleção. 

Garrafas da Antarctica com trechos clássicos do samba
Para saber mais sobre o samba, acesse: aqui e aqui

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

A Última Dança

Depois de um semestre recheado de conhecimentos acerca da dança e da Arquivologia - área do conhecimento das Ciências Sociais Aplicadas - e as suas respectivas relações, é hora de compilar tudo o que já foi visto até agora. Assim, vamos apresentar a nossa última dança em formato de trabalho final.


Decidimos fazer o trabalho em forma de vídeo, afinal, foi nosso documento principal, analisado na Oficina.
Vídeo retrata tudo o que nós passamos durante o semestre (obviamente, de forma resumida)



E o trabalho final em forma de Artigo, que reproduz nossos trabalhos do semestre de uma maneira um pouco mais formal.

Esperamos que gostem, queridos dançarinos!!

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Milonga Arquivística Virtual - parte 5

Objetivos a serem alcançados com a quinta parte da Oficina:
  • Capacitar o público quanto à análise documental; 
  • Entregar os brindes;
  • Entregar os certificados; e
  • Concluir a Milonga.
Concluindo a Milonga Arquivística
Vamos testar seus conhecimentos?

A quinta parte da Milonga Arquivística Virtual é a parte da conclusão. Mas essa conclusão, assim como a conclusão de um documento com valor permanente, não representa um fim. Como não podemos ter certeza do entendimento que vocês tiveram quanto ao que foi passado durante essa Oficina Virtual, diferente da Oficina presencial que podíamos tirar todas as dúvidas, resolvemos aplicar um questionário com o intuito de capacitá-los, testando seus conhecimentos.
Acesse o questionário aqui.

Exemplificação do questionário
Após a conclusão do questionário, iremos analisar as respostas e, caso haja mais de 50% de acerto, mandaremos o Certificado de Participação, entregue na Oficina do dia 06 de novembro de 2015.

Certificado de Participação da Milonga Arquivística
Além disso, incluiremos o nome de todos os que fizerem o questionário na nossa Lista Arquivística-Dançante de Participação.

Lista Arquivística - Dançante de Participação
Ademais, na Milonga Arquivística presencial, demos outros brindes: um bombom Sonho de Valsa (tinha que ser relacionado com a dança, é claro!) com o recadinho "Que a sua Dança seja doce e o link do nosso blog e algumas rosas artificiais por conta do Tango! Na Milonga Arquivística Virtual, não será possível a entrega desses brindes, infelizmente.

Recado que foi entregue junto ao bombom
Assim, concluímos nossa Milonga Arquivística com muita dança e muito aprendizado! Agradecemos a todos que foram nos prestigiar e a todos que irão participar da Oficina Virtual. Esperamos que vocês possam alcançar aos objetivos propostos em cada parte dessa Milonga Arquivística Virtual!

P.S.: No dia da nossa Oficina presencial, duas integrantes do nosso grupo (Elkelly e Julia) fizeram uma entrevista para o Jornal do SBT sobre o consumismo na época da crise. Apesar da entrevista não ter a ver com o assunto da Oficina, ela é um documento de arquivo (vídeo da entrevista) para as Arqlindas, bem como as fotos abaixo:

Entrevista para o SBT
 

Milonga Arquivística Virtual - parte 4

Objetivos a serem alcançados com a quarta parte da Oficina:
  • Produzir documento convencional e não convencional; 
  • Listar os novos dançarinos; 
  • Mostrar que todos podem dançar; e
  • Finalizar a dança.
Todos nós somos dançarinos
Vamos mostrar que todos podem dançar?

Nessa quarta parte da nossa Milonga, resolvemos listar as pessoas que nos visitaram como forma de comprovar a participação na Oficina. Após entender como a arte do Tango e dos documentos se complementam, aprender os 8 passos do Tango e da análise documental, entender como pode-se divulgar a imagem de terceiros, vamos agora observar que qualquer pessoa é capaz de dançar, até mesmo o Tango. Então, nada melhor do que concluir o aprendizado de uma forma diferente: gerar dois documentos - um convencional e o outro não.

Desse modo, cada visitante foi convidado a finalizar a dança com uma foto de Tango, ou seja, produzimos na Oficina um documento não convencional! Já vimos que para divulgar as imagens de terceiros, precisamos de uma autorização, mediante um documento - Termo de Autorização de Uso da Imagem. Assim, para as fotos serem divulgadas aqui no Blog, criou-se a demanda para gerar o documento. Vimos, também, que a autorização para a divulgação se dá por meio de duas vias: uma que fica no acervo das ArqLindas, por ser um documento com valor permanente, e a outra que fica com a pessoa que autorizou a publicação da foto.

Termo de Autorização de Uso de Imagem utilizado na Milonga Arquivística*
* O termo assinado pelos integrantes do projeto não pode ser divulgado aqui no Blog por conter informações pessoais.  

Na Milonga presencial, tiramos várias fotografias dos nossos dançarinos em poses incríveis, que serão publicadas posteriormente, assim que analisarmos todas as autorizações geradas durante a oficina. Essa fotos, além de provarem o comparecimento à oficina, também comprova que todos podem dançar, já que finalizaram o Tango de modo espetacular!

Infelizmente, nós não vamos conseguir tirar foto de todo mundo que acessar a nossa Oficina Virtual. Mas vocês podem fazer parte da nossa oficina, gerando um documento convencional e um outro não convencional, finalizando a dança de um modo bem divertido! Então, mande uma foto do seu rosto para nosso e-mail: arqlindas2015@gmail.com, em seguida, mandaremos o documento digital da Autorização de Uso de Imagem a ser preenchido e, mediante autorização, você terá a foto da nossa Milonga Arquivística Virtual! Não fique de fora dessa brincadeira!

Foto de Tango da Milonga Arquivística Virtual

Milonga Arquivística Virtual - parte 3

Objetivos a serem alcançados com a terceira parte da Oficina:
  • Entender sobre arquivo permanente;
  • Entender o motivo do Termo de Autorização de Uso de Imagem ser um documento com valor permanente;
  • Entender o que é um fluxograma e para que ele serve;
  • Saber analisar um fluxograma; e
  • Entender sobre o fluxo e o ciclo de vida de um documento com valor permanente.
Autorizando o uso da imagem
Como podemos divulgar a imagem de terceiros?

Esta parte da nossa Milonga foi dedicada a analisar o fluxograma de um documento com valor permanente do acervo das ArqLindas. O valor permanente, de acordo com o Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística, é o valor probatório e informativo que justifica a guarda permanente de um documento em um arquivo.

No mundo da dança, há muitos documentos que são produzidos, como fotos, vídeos, ingressos para entradas de espetáculos ou de bailes, panfletos de divulgação, entre outros. Além disso, o Termo de Autorização de Uso de Imagem é um documento essencial para esse meio, pois é somente com ele que pode-se divulgar um espetáculo a partir de fotos e vídeos ou outros meios, ou seja, esse documento pode permitir a propagação da imagem de terceiros, mediante autorização dos mesmos. 

O Termo de Autorização de Uso de Imagem é um documento que possui a guarda permanente, pois tem valor probatório. Sendo assim, é prova legal de que alguém autorizou a reprodução de sua imagem. Caso essa pessoa resolva recorrer, a pessoa física ou jurídica que divulgou possui a prova que recebeu a autorização. No caso da nossa Milonga Arquivística, esse documento foi utilizado para a realização da Oficina. O responsável pelo Projeto PÉS? precisava assinar o Termo para que pudéssemos divulgar um outro documento permanente: o vídeo que vocês viram na primeira parte da nossa Oficina Virtual. O vídeo do Projeto é, também, um documento permanente, pois serve como prova da realização das atividades inerentes à essa extensão da Universidade de Brasília.

Termo de Autorização do Uso da Imagem entregue ao responsável do Projeto PÉS?*

* O termo assinado pelos integrantes do projeto não pode ser divulgado aqui no Blog por conter informações pessoais.  
 
Então, para analisar o Termo de autorização de Uso de Imagem desde sua criação até sua destinação final, utilizamos um fluxograma. O fluxograma é uma ferramenta utilizada para representar uma rotina de trabalho por meio de figuras geométricas. Um modo mais didático de entender o que acontece em uma organização a partir da transição de informações entre os elementos que o compõem. O fluxograma é essencial para obter um estudo detalhado do ciclo documentário, ou seja, ter conhecimento da entrada, processamento e saída dos documentos em determinada ocasião.

Os círculos do fluxograma representam o início ou conclusão de uma rotina, podendo ou não representar o fim dessa. Os retângulos se referem às atividades necessárias para a realização de uma rotina e os losangos representam as tomadas de decisão de uma determinada atividade. No caso do Termo de Autorização de Uso de Imagem, o ponto de partida para a sua criação foi a necessidade de utilizar o vídeo do Projeto PÉS?. Após isso, nós elaboramos o Termo e, em seguida, apresentamos duas vias para o responsável do Projeto. Ele poderia assinar ou não os documentos. Caso não tivesse assinado, o uso da imagem não teria sido autorizado e, então, o ciclo do documento teria terminado. No entanto, o responsável assinou, assim, obtivemos a Autorização do Uso da Imagem.

A assinatura do Termo implica que uma via fique conosco e a outra com o responsável pelo Projeto PÉS?. A nossa via se encontra em nosso arquivo corrente, pois ainda estamos utilizando as imagens do Projeto, então, precisamos desse documento frequentemente. Após o término da disciplina e do período em que podemos recorrer a ela por conta de algum problema, o documento irá para o nosso arquivo intermediário, pois não iremos utilizá-lo com tanta frequência. Depois de um tempo, esse documento, que já nasce permanente, irá para o nosso arquivo permanente. Porém, o fato de ir pro arquivo permanente não representa um fim, já que o documento pode ser recuperado a qualquer momento, caso haja necessidade de provar que a autorização das imagens do grupo foi concedida pelo responsável. É importante ressaltar que, se houver necessidade de recuperação do documento, este não volta a ser corrente.

Já a guarda da segunda via, ficará a critério do responsável. Caso ele resolva guardar, o Termo irá para o seu arquivo, podendo ser recuperado a qualquer momento. Caso contrário, o Termo irá ser eliminado e, assim, terá seu fim.

Enfim, o fluxograma foi elaborado de acordo com a importância do documento. Este Termo é prova de que a divulgação da imagem do Projeto foi autorizada pelo responsável, ou seja, se as imagens são permanentes, o termo de autorização do uso de imagem também deve ser.
Fluxograma do Termo de Autorização de Uso de Imagem do Projeto PÉS?

Milonga Arquivística Virtual - parte 2

Objetivos a serem alcançados com a segunda parte da Oficina:
  • Aprender a dançar Tango;
  • Conhecer sobre a Diplomática e Tipologia Documental; e
  • Aprender a fazer a análise de um documento não convencional.
¿Vamos a bailar?
Aprenda os 8 passos básicos do Tango e da análise documental

Como qualquer dança, o Tango também possui seus passos básicos, que somam oito. Então, para facilitar a compreensão da análise do documento não convencional escolhido, essa parte da Oficina foi divida em oito passos, assim como o Tango! Os quatro primeiros foram destinados para a Análise Diplomática e os quatro últimos para a Análise Tipológica.

 Passos do Tango (em vermelho os passos das mulheres e em preto os passos dos homens)

Passos de Tango da Oficina
Aula de Tango - passos básicos

Saiba mais sobre o Tango aqui.

A Diplomática, segundo o Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística, é a disciplina que tem com objetivo o estudo da estrutura formal e da autenticidade dos documentos. Ou seja, a Análise Diplomática é a análise das características extrínsecas do documento, a estrutura documental. Fazendo uma analogia com a dança, podemos comparar a estrutura Diplomática, à estrutura do Tango e da Milonga: elementos como a postura dos dançarinos, os passos harmônicos, o abraço e o sentido no qual se dança dentro de um salão (sentido anti-horário, para os homens).

Então, vamos aprender agora os quatro passos da Análise Diplomática!

Passo 1:
  • Espécie: "configuração que assume um documento de acordo com a disposição e a natureza das informações nele contidas" (AAB/SP, 1996, p. 34.); ex: folder, memorando, resolução etc.
Passo 2:
  • Formato: "configuração física de um suporte, de acordo com a sua natureza e o modo como foi confeccionado" (AAB/SP, 1996, p. 39); ex: banner, cartaz, livro, folha avulsa etc.
Passo 3:
  • Gênero: "configuração que assume um documento de acordo com o sistema de signos utilizado na comunicação de seu conteúdo" (AAB/SP, 1996, p. 41); ex: textual, sonoro, imagético etc.
Passo 4:
  • Forma: completude de um documento; ex: cópia, original, rascunho etc.
Outros Passos derivados da Análise Diplomática (exemplos do documento escolhido):
  • Denominação: descrição do que é o documento; ex: Gravação Audiovisual de Espetáculo de Tango.
  • Definição: definir o documento, destacando sua finalidade; ex: Gravação de um vídeo durante a apresentação coreográfica do grupo, com o intuito de capturar os movimentos e coreografia.
  • Suporte: "material sobre o qual as informações são registradas" (AAB/SP, 1996, p. 72); ex: pen drive.
  • Dimensão: porção de espaço ocupado por um documento; ex: 32,1 MB (00:03:14).
  • Sinais de validação: "marcam a autenticidade de atos e documentos" (LOPEZ, 2012, p.23); ex: carimbos, assinaturas, marcas d’água, logomarcas, metadados (sinais ocultos de documentos digitais).
Estrutura do Tango similar à da Diplomática
Depois de passar pela estrutura da dança.. ops! pela estrutura diplomática, devemos fazer a Análise Tipológica. A Tipologia é o "conjunto de elementos formais que caracterizam um documento de acordo com as funções a que se destina" (disponível aqui), ou seja, é a análise intrínseca de um documento em relação à sua gênese documental (atribuições, competências, funções e atividades da entidade acumuladora de documentos). Seguindo o mesmo raciocínio, compara-se a Análise Tipológica, que é a análise das características internas do documento, com os procedimentos internos de criação de um espetáculo, tais como o roteiro, a formulação da dança, a escolha do figurino, a escolha da coreografia, a escolha das músicas etc.

Vamos, então, aprender os quatro passos da Análise Tipológica!

Passo 1:
  • Função Arquivística: atividades exercidas no âmbito do Produtor Arquivístico; ex: divulgação e comprovação da produção artística, pesquisa de criação e execução de movimentos, prestação de contas.
Passo 2:  
  • Produtor/fundo arquivístico: entidade produtora de documentos; ex: Projeto PÉS?.
Passo 3:
  • Atividade: finalidade do documento; ex: reprodução da apresentação do Espetáculo com o intuito de capturar o desenvolvimento coreográfico.
Passo 4:
  • Contexto: informa o motivo pelo qual o documento foi gerado; ex: necessidade de divulgar o projeto e preservar a memória coreográfica.
 Outros passos derivados da Análise Tipológica (exemplos do documento escolhido):
  • Tipo Documental: configuração que assume uma espécie documental, de acordo com a atividade que a gerou, ex: Gravação Audiovisual para divulgação de Apresentação Coreográfica.
  • Emissor: quem gera demanda para a produção de documento; ex: integrantes do Projeto PÉS?.
  • Destinatário: a quem se destina o documento; ex: todo público interessado em assistir ao espetáculo ou saber mais informações sobre o projeto de extensão permanente.
  • Data Tópica: local em que o documento foi produzido; ex: Brasília.
  • Data de Produção: data em que o documento foi produzido; ex: ano de 2012 (sem dia e mês definidos).

Milonga Arquivística Virtual - parte 1

Para quem viu os vários panfletos (esse aqui) espalhados pelo ICC Sul, Central e Norte, FCI, BSAN, PAT e PJC - Universidade de Brasília e pela internet nos grupos do Facebook e não pode comparecer à nossa Milonga Arquivística, estamos realizando a Oficina Virtual para ninguém ficar de fora dessa dança!

Exemplo de divulgação na FCI (Faculdade de Ciência da Informação)
Na última publicação (Explicando mais sobre a Oficina), apresentamos um breve roteiro do que as pessoas iriam ver durante a Oficina e a dividimos em cinco partes. Iremos fazer o mesmo com a Oficina Virtual, a dividiremos em cinco posts. Enquanto explicaremos o conteúdo da Oficina, vamos mostrar um pouquinho do que rolou no dia para dar um gostinho para quem não foi e como forma de memória para quem esteve lá!

Já para quem está vendo tudo isso pela primeira vez, vamos explicar um pouquinho: a Oficina que ocorreu no dia 06 de novembro na Universidade de Brasília (Ceubinho - entrada do ICC Norte) foi realizada por meio de um trabalho da disciplina Diplomática e Tipologia Documental do curso de Arquivologia. A proposta era relacionar um tema qualquer com os assuntos estudados durante o semestre e, também, divulgar a nossa área de atuação. Bom, nós, as ArqLindas, escolhemos falar sobre Dança, mais especificamente sobre o Tango.

ArqLindas (da esquerda pra direita: Elkelly Franco, Natália Lucchetti, Julia Donato e Flávia Helena)


Decoração da Oficina
 Objetivos a serem alcançados com a primeira parte da Oficina:
  • Conhecer um pouco sobre o Tango, sobre a Arquivologia e qual a relação entre essas duas áreas;
  • Conhecer sobre os documentos não convencionais;
  • Divulgar a Arquivologia; e
  • Divulgar o Projeto de Extensão Permanente da Universidade de Brasília - Projeto PÉS?.
 Então vamos dar início à nossa Milonga Arquivística!

Da Milonga à Arquivologia
Como a Arte do Tango e dos Documentos se complementam? 

O Tango, nascido nos bairros mais pobres da Argentina, é umas das danças mais intensas, dramáticas, sensuais e populares no mundo. Dançado nas Milongas – bailes, o Tango é muito mais que uma postura precisa e um passo estável, é uma linguagem da alma executada pelo corpo por meio de movimentos ritmados e intencionados.

Já a Arquivologia, segundo o Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística, é a disciplina que estuda as funções do arquivo e os princípios e técnicas a serem observados na produção, organização, guarda, preservação e utilização dos arquivos. O objeto de estudo dessa área é o documento de arquivo que, segundo a Resolução nº 20/2004 do CONARQ, é a informação registrada, independente da forma ou do suporte, produzida e recebida no decorrer das atividades de um órgão, entidade ou pessoa, dotada de organicidade e que possui elementos constitutivos suficientes para servir de prova dessas atividades.

No universo musical, temos registros de partituras de músicas, que podem ensinar qualquer pessoa capacitada a tocar tal música, exatamente da maneira como ela foi feita para ser ouvida. Já, quando estamos falando de dança - manifestação cultural e multidimensional -, como é possível registrar diferentes movimentos corporais, que são como uma espécie de "impressão digital motriz, que reflete a carga emotiva, sensorial, orgânica e físico-muscular de cada um, carga esta em constante processo de reformatação" (ROSSI, 2009, p. 10)?

Com os avanços tecnológicos, surgiu a possibilidade de “arquivar” a dança através da fixação de sinais em um meio tangível capaz de vencer o tempo e o espaço. Esse meio são as gravações audiovisuais que têm como finalidade registrar e descrever a dança em todos os seus aspectos: dramaticidade, expressão corporal, sutileza dos gestos, intensidade dos movimentos, entre outros - algo que não se poderia fazer no papel. Ou seja, obtém toda a dimensão das variáveis envolvidas no universo da dança. Além disso, o vídeo permite que a coreografia se propague pela história e não caia no esquecimento, ou seja, permite a preservação da memória coreográfica.

O vídeo é um documento não convencional que, de acordo com o Dicionário Brasileiro de Terminologia Arquivística, é um documento em linguagem não-textual, em suporte não convencional, ou, no caso de papel, em formato e dimensões excepcionais, que exige procedimentos específicos para seu processamento técnico, guarda e preservação, e cujo acesso depende, na maioria das vezes, de intermediação tecnológicas. Diferente do documento convencional que é um documento arquivístico produzido, tramitado e armazenado em formato não digital, segundo a Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos.

Dessa forma, escolhemos um vídeo do Projeto PÉS? para realizar a análise como forma de entender na prática a relação do Tango com a Arquivologia. O Projeto PÉS? é um Projeto de Extensão Permanente da Universidade de Brasília que pesquisa a criação, provocação e execução de movimentos expressivos e possíveis para pessoas com deficiência, através de técnicas do teatro-dança. Surgiu em 2011, a partir de uma Dissertação de Mestrado em Artes Cênicas do Rafael Tursi. 

"Pra que servem pés senão para andar? O que é deficiência? Aonde este trabalho quer chegar? Este trabalho trata do ciclo de experimentações do Projeto PÉS?/UnB, que pesquisa a criação do movimento expressivo por pessoas com deficiência. Que pessoas? Que deficiências? Qualquer pessoa e qualquer deficiência. O objetivo é associar o trabalho de pedagogia do movimento do teatro e da dança para pessoas com deficiências, físicas, sensoriais e intelectuais. Durante o processo, busca-se observar tanto as habilidades já desenvolvidas pelos alunos quanto às habilidades a serem desenvolvidas” (Rafael Tursi). Desse modo, o projeto pretende mostrar que qualquer pessoa pode dançar.


 



Folder* com conceitos arquivísticos distribuído na primeira parte da Oficina

* Para ter um folder nosso, basta salvar as duas últimas imagens e imprimir em frente e verso. 
video
Cena de Tango do Projeto PÉS?. Vídeo passado na primeira parte da Oficina